Nacionalmente Bom

Autores Portugueses

Estrelas Em Contos

Opiniões de Contos

eBooks

Leitura Digital

Crónicas de Uma Desastrada

Sou uma Desgraça de Metro e Meio

Autores do Brasil

Divulgação e Opinião

quarta-feira, agosto 24, 2016

Sou uma Desgraça de Metro e Meio #12

Boa Noite Estrelinhas!

Cruzes credo canhoto! A sério que não que escrevo o "Crónicas de umas Desastrada" desde Novembro de 2015? O que me fizeram? Melhor nem saber.

A ultima publicação que fiz foi sobre a lactose, e novidades!!! A Yoggi [Nestlé] também já iogurtes sem lactose, e a marca continente também tem uns - frutos exóticos - DELICIOSOS!!!

Mas não é por causa disso que aqui vim. Eu preciso de desabafar, deitar cá para fora, algo do género da publicidade da TMN  - Deite cá para fora.

E aqui vou eu, vomitar tudo de uma vezes só...

Hoje eu estou.... FELIZ!!!!!!!!


A uns dias atrás, a minha vontade era quase isto...





Vamos enumerar?


  1. Aparece-me um gato, aparentemente envenenado.... à porta. O desgraçado espumava-se e babava-se muito, não se aguentava em pé. Obviamente que não consegui ignorar o pobre bichaninho, tal era a agonia em que ele estava. Completamente louca, liguei para uma menina a pedir-lhe ajuda urgente. Lá consegui essa maravilhosa ajuda, pois de momento estando eu desempregada era de todo impossível levar o gato ao veterinário [mesmo não sendo meu]. Consegui luz verde de um mega anjo, que prontificou-se logo ajudar-me. Resultado, o Mike,  -nome dado pelo motorista do autocarro - encontra-se finalmente bem, foi de facto falso alarme. Fez medicação e já é dono de tudo por aqui.
  2. O meu Gil [Gato], por alguma razão desconhecida deixou de comer, de beber e afins... entrei completamente em parafuso. Ele perdeu uns bons Quilinhos, mas graças aos anjos dos felinos, com muito amor, atenção e afins ele finalmente começou a comer [pouco] mas come e já bebe agua. Penso que foi alguma crise de ciumes por ter um gato de rua cá em casa e porque a Kitty [ a minha gata tresloucada] bata nele para ele não comer. Agora o Gil, já anda dono e senhor de si. Mas ainda temos um longo caminho pela frente, visto que ainda se encontra magro.
  3. O meu Portátil morreu! Ou seja, o desgraçado começou aquecer de novo, já dava para fazer uns ovos estrelados e tudo mais. Mas, já limpei a ventoinha e por enquanto funciona. 
  4. O meu telemóvel.... morreu... a maravilha da garantia, olhem a minha sorte. Já foi reparado e já se encontra a funcionar.
  5. Alem de estar eu desempregada..... agora está o meu marido também. Não é fantástico? [Sarcasmo]. O cumulo desta situação, é enviar currículos para tudo o que é ofertas e ninguém responder, mas pior? É responder a anúncios "URGENTES" e recebermos um email de resposta que estão de férias.... É mesmo a sério? Yah, é.... vá-se lá entender o que esta gente considera ser URGENTE.
  6. Comecei a fazer fisioterapia na segunda feira... isto porque recentemente queimava os dedos e não sentia, ficava com o braço dormente do nada... A parte negativa? É que hoje depois de vir da fisioterapia, tive mais dores no braço do que quando não a fazia... espero que seja normal.... de contrario terei mesmo de fugir a sete pés.
Com tanta coisa boa acontecer [ironia] nem quero imaginar quando chegarem as coisas más.... E tal como me disseram há uns dias... Oh Nádia por favor, há quem tenha problemas a sérios. Obviamente que respondi à cabra, desculpem, mas teve de ser. Pode haver, mas sempre ouvi dizer, com os problemas dos outros lido eu bem.
Claramente que não acharam piada a minha resposta. E obviamente que me disseram logo que eu era insensível e tudo mais. Mas não é ser insensível, é a realidade.
Eu moro num fim do mundo, onde transportes por aqui é quase motivo de celebração [ refiro este pormenor devido ao transporte para o trabalho], estar eu desempregada, com um braço atrofiado, em que há a possibilidade de vir a ter de fazer uma cirurgia para libertar os tendões, ter o meu marido desempregado também, ter daqui nada a escola a começar, um filho e tudo acontecer ao mesmo tempo, para mim é desastroso. Sei bem que há pessoas muito piores que eu, mas convenhamos... é a vida delas, as lutas delas. Não estão a espera que eu lute pela minha vida e a vida dos outros, pois não?

Ainda a coisa de um mês, fui a uma entrevista, eu tenho carta [finalmente] mas ainda não tenho viatura própria, mas isso não seria problema, eu levava o carro do meu marido e ia ele [na altura] no autocarro da empresa que passa aqui. Fui recusada por não ter viatura mesmo minha [ os donos da empresa conhecem-me, visto ser aqui na zona] Ora, vamos fazer contas.... eu tenho um X guardado para o meu futuro carro, com mais um mês de ordenado e seria o suficiente para comprar uma cangalhota velha para poder ter o meu próprio carro. Mas parece que o lógico não atinge algumas pessoas. Se eu tenho a carroça [carta] já não me falta tudo, preciso de um trabalho, para poder comprar o burro [carro] para assim poder deslocar-me e não ter que estar dependente de ninguem... mas como todos sabemos para se ter alguma coisa é preciso dinheiro, e para se ter dinheiro tem que se ter trabalho. E hoje para se ter trabalho tem que se ter carta/carro. Alguém me explica como é que podemos ter carro, sem dinheiro [neste caso sem trabalho]?

Outro cumulo que é exigido é experiência em X ou Y, bem.... para se ter, há que trabalhar nesse "sector" para ter experiência não é? Como é que estas antas querem que uma pessoa tenha experiência assim?

Há já algum tempo, despediram-me de um lar, porque eu tinha formação e experiência, que ao contrario das outras funcionárias, não tinham. É... estamos no belo e maravilhoso país, que ou tens formação e experiência ou se tens não prestas porque terias de ganhar mais [segundo a lógica da criatura]. Talvez o melhor seja tirar cursos de tudo o que exista, mais os estágios... e quando for para trabalhar, só se for no caixão.

Agora, daqui a uns dias terei de ir ao IEFP, segundo a convocatória, para informações e bla bla bla de um curso qualquer... Tipo... hello? Eu quero um trabalho porra, não um curso. Porque daqui nada, não sou contratada porque tenho cursos a mais e afins. Sim, porque isso é possível...acreditem em mim.

Vamos ver como corre toda esta palhaçada que acontece neste belo país que se chama Portugal. Que das duas uma... ou tens uma sorte dos diabos, ou tens os papás para te sustentarem e uma boa herança. Ou tas na m@£§#

E enquanto isso, entre entrega de CV's e envio de e-mail, vou lendo e/ou escrevendo aos poucos. Quem sabe com um pouco de sorte, ainda me nasce uma árvore aqui no quintal com notas de 500€ se isso acontecer, fiquem descansados.... eu envio umas quantas para vocês.

Beijokinhas e boas leituras

terça-feira, agosto 09, 2016

Grupo 20l20 Editora com 4 autores no TOP 10 mundial – 1.º, 2.º e 9.º ex aequo














A Rapariga no Comboio, editado em Portugal pela Topseller, chancela do Grupo 20l20 Editora, catapultou Paula Hawkins para o top dos autores mais bem-sucedidos em todo o mundo. Segundo a revista Forbes, a autora britânica é mesmo a única novidade no TOP 10 de 2016, tendo amealhado 10 milhões de dólares (antes de impostos) entre junho de 2015 e junho e 2016, fruto dos 10 milhões de livros vendidos em todo o mundo.


Publicado em junho de 2015 em Portugal, o thriller de Paula Hawkins permanece há um ano consecutivo no Top 10 de vendas (Ficção), somando já 17 edições (88 mil exemplares editados). No dia 6 de outubro chega às salas nacionais a adaptação da obra ao Grande Ecrã com Emily Blunt no papel principal, naquela que é uma das grandes apostas cinematográficas do ano.


James Patterson, editado em Portugal pela Topseller (adulto e young adult) e pela Booksmile (infantojuvenil) mantém-se absolutamente imbatível no 1.º lugar do ranking - 95 milhões de dólares l 305 milhões de livros editados, seguido de Jeff Kinney (19,5 milhões), autor da coleção bestseller mundial O Diário de um Banana, editada pela Booksmile. As aventuras (e desventuras) de Greg somam já 890 mil exemplares editados em Portugal – 165 milhões em todo o mundo, sendo, indiscutivelmente, a coleção infantojuvenil preferida dos jovens leitores.


TOP

1.º James Patterson (Topseller) - 95 milhões de dólares
2.º Jeff Kinney (Booksmile) - 19,5 milhões
3.º J.K. Rowling - 19 milhões
4.º John Grisham - 18 milhões
5.º Stephen King - 15 milhões
5.º Danielle Steel - 15 milhões
5 . Nora Roberts - 15 milhões
8.º E. L. James - 14 milhões
9.º Paula Hawkins (Topseller) - 10 milhões
9.º John Green (Topseller) - 10 milhões
9.º Veronica Roth - 10 milhões

II Conferência Qualidade de Vida no Trabalho - Apoio Editora RH


segunda-feira, agosto 01, 2016

Opinião: Uma Semana para te Amar


Já tinha este menino aqui em casa desde Março, comprei-o numa promoção fantástica no continente. Muito embora, tive algum receio de o ler. E isso por vezes acontece-me com alguns livros.

 No entanto, depois  de ter lido A Maldição do Vencedor, também ele editado pela TOPSELLER, fiquei com aquele bichinho maravilhoso do “Quero ler mais, preciso de mais livros”. Decidida foi até a prateleira e vi lá este menino, a suplicar para ser lido.

Porque não? Pensei eu com os meus botões.

Devo dizer que quando iniciei a leitura pensei… já te foste. Porquê? Simples, ele é jogador de futebol da universidade, ela dá a entender que é algo que não é…

                Aborrecido…  essa foi a palavra que saltou a minha mente, qual néon vivo.

Drew, o fantástico jogar de futebol, precisa de uma namorada temporária e Fable é a temporária em tudo, tal como ela própria diz. Ao iniciar esta leitura o que salta a mente? Um maravilhoso porta-aviões cheios de clichês típicos e aborrecidos. Sim, tudo isso foi o que me veio a cabeça.

Fable é uma jovem que deixou os seus estudos para trabalhar, é ela quem cuida do seu irmão mais novo Owen. Atenção, eles não são órfãos ou algo do género, apenas a mãe parece apreciar mais as companhias e uma bela cerveja, do que os seus filhos.

Com uma oportunidade única que Drew oferece a Fable, ela aceita sem pensar muito. Afinal será só uma semana, provavelmente para irritar a família, o talvez para não o pressionarem tanto por não ter namorada, ou se calhar para desviar a atenção de que possivelmente Drew seja gay, essas são algumas coisas que passam pela mente de Fable no decorrer da narrativa.

Drew apesar de ser aquele típico rapaz que todas as raparigas querem, de ter boas notas e afins, é apenas um meio que ele atinge para ocupar a mente e o que lhe assombra. 

De malas prontas, Drew e Fable seguem em viagem até a casa dos pais de Drew. Mas ao lá chegar, as coisas não correm tão bem como esperado, pelo menos não tão bem como Fable poderia pensar. E sem que Fable se aperceba, varias situações começam a fazer algum sentido e ela começa a desconfiar de algumas coisas.

Adele, madrasta de Drew, é uma cabra do piorio. Odeia logo de início e odiei ainda mais quando a bomba foi largada. Esta personagem horrível é daquele género que dá vontade de arrancar a cabeça a colherada. O pior é o pai de Drew, credo o homem parece um burro com palas nos olhos, impressionante. 

Este livro surpreendeu-me pela positiva. Quando iniciei a leitura e tal como referi aqui, pensei que fosse um livro aborrecido e cheio dos típicos clichês que estamos habituadas, mas que no fundo adoramos, de contrário não os leriamos. 

Contudo a autora, Monica Murphy dá uma boa reviravolta no enredo. Ela prende o leitor, deixa-o em suspensa quando ao que virá, qual o segredo que Drew carrega e que tanto medo lhe dá. Quando ao envolvimento dos personagens, não é algo forçado e corrido. Adorei principalmente a palavra de SOS, ou seja, uma palavra sugerida por Fable, quando o pai de Drew o pressionasse em demasia e ele precisasse de ser “salvo”. 

Uma semana para te amar, é um livro de leitura leve, envolvente e marcante. Com um final único.
Ansiosa para ler mais obras desta autora, que conquistou o seu lugar não só na minha estante, como da minha atenção.


SINOPSE

 Temporária. É a palavra que melhor descreve a minha vida nos últimos anos. Sou a mãe temporária do meu irmão mais novo, já que, aparentemente, a nossa mãe não quer saber de nós. Tenho um trabalho temporário num bar, pelo menos até conseguir arranjar outra coisa. E sou a namorada temporária que todos os rapazes querem ter, porque me deixo seduzir facilmente. Ou, pelo menos, é o que dizem os rumores.
Sou neste momento a namorada temporária do Drew Callahan, lenda da equipa de futebol da universidade e de quem toda a gente gosta. Ele precisava de alguém que fingisse ser sua namorada durante uma semana. Em troca de dinheiro. Muito dinheiro.
Levou-me para o seu mundo falso, onde toda a gente me detesta e onde toda a gente quer alguma coisa dele. Mas a única coisa que o Drew parece querer sou eu.
Já não sei em que acreditar. Tudo o que eu sei é que o Drew parece precisar muito de mim. E eu quero estar lá para ele. Para sempre.

quarta-feira, julho 27, 2016

Opinião: A Maldição do Vencedor

Boa Noite Estrelinhas,
Primeiro que tudo, quero agradecer à Neuza da TOPSELLER e claro à TOPSELLER, pela oferta deste maravilhoso livro, A Maldição do Vencedor.

Desconhecia a escritora, Marie Rutkoski, no entanto depois de ler este livro fiquei simplesmente rendida a sua escrita, os seus enredos e ao mundo que criou.

A Maldição do Vencedor é o primeiro livro da trilogia TheWinner's. Sendo o segundo The Winner’s Crime e o terceiro The Winner’s Kiss.

Como já devem ter notado, ando muito desaparecida, a excepção das divulgações, não tem havido opiniões aqui. A razão disso é que além de andar de novo aflita dos olhos, não tinha nenhum livro que me cativasse, algo que me prendesse a leitura. Um livro que apresentasse algo fresco e diferente.
Após receber o e-mail da Neuza para divulgação no blogue, o titulo do livro deixou-me bastante curiosa e andei como uma barata conta a torcer para que fosse possível a oferta deste menino, assim como uma psicopata a espera do carteiro. Coitado…

"Não é isso o que as histórias fazem? Tornam falsas as coisas reais, e reais as falsas?"  
[ A Maldição do Vencedor - Página 12]
Em A Maldição do Vencedor, conhecemos a nossa Kestrel, uma jovem que tem apenas duas opções e que nenhuma é do seu agrado, ou alista-se no exército ou casa-se.

Depois de um jogo de cartas, no mercado da cidade, Kestrel procura a sua amiga Jess e quando a jovem Kestrel se dá conta, está no fosso de leilões de escravos. E como se nada pudesse piorar, Kestrel vê-se a licitar e a ganhar o leilão.
Arin é um escravo Herrani, um jovem misterioso, que tem algo em mente. 

A ligação de Kestrel e Arin que vai evoluindo é tão forte e única que faz com que o leitor fique colado ao livro para saber mais, descobrir mais. Não como uma ligação romântica, mas única entre amo e escravo, a história destes dois é sem sombra de dúvidas única. Uma Valoriana e um Herrani, obrigações, deveres, alianças e escolhas perigosas. 

" A Felicidade depende de ser-se livre [...] e a liberdade depende de ser-se corajoso. "
[A Maldição do Vencedor - Página 175]
É praticamente impossível não ficar contagiado com todo o enredo, com todos os segredos, o leitor além de ser sugado para este mundo, não deseja sair de lá. 

Este livro é simplesmente viciante, único e maravilhoso. Devo dizer também que amei a capa, e não sei se foi apenas impressão minha, mas ao toque a capa parece quase veludo de tão suave e fofa que é. Dei por mim, diversas vezes enquanto lia, acariciar a capa. Estou a pensar se faço um vídeo ou não, para vos mostrar o livro e o seu interior... terei de pensar nisso. *riso*

Confesso que quando terminei a leitura deste livro, fiquei chocada e furiosa, ainda revirei o livro vezes sem conta para ver se achava alguma página misteriosa escondida. Por sinceramente, terminar assim? Recuso-me! Mas fui pesquisar e quando vi que era uma trilogia saltitei de alegria.
Agora resta-me esperar e desesperar pelo próximo livro The Winner’s Crime. 

Por favor TOPSELLER, não demorem muito. Pois estou de novo triste, só e abandonada, sem relíquias cativantes a meu redor.

E vocês meus queridos leitores, do que esperam para ler A Maldição do Vencedor? 

Sinopse

Kestrel, jovem filha do poderoso general de Valoria, tem apenas duas opções: alistar-se no exército ou casar-se. Ela tem, no entanto, outras aspirações e procura libertar-se do seu destino, rebelando-se contra o pai.
Num passeio clandestino pela cidade, Kestrel vai parar a um leilão de escravos, onde se depara com um jovem, Arin, que parece querer desafiar o mundo inteiro sozinho. Num impulso, ela acaba por comprá-lo — por um preço tão alto, que a torna alvo de mexericos na sociedade.
Arin pertence ao povo de Herrani, conquistado dez anos antes pelos Valorianos. Além de ser um ferreiro exímio, revela-se também um cantor extraordinário, despertando a curiosidade de Kestrel. Arin, contudo, tem um segredo, e Kestrel não tardará a descobrir que o preço que pagou por ele poderá custar muito mais do que aquilo que alguma vez imaginara.

segunda-feira, julho 18, 2016

Como É que Ele foi parar aí Dentro?

MAS, AFINAL, COMO É QUE OS BEBÉS VÃO PARAR À BARRIGA DAS MÃES?

 A Rafaela está muito confusa! Toda a gente tem uma resposta diferente para a sua pergunta, e todos parecem estar sempre a fugir do assunto. Será assim tão difícil explicar como é que os bebés vão parar ali dentro?

Um livro maravilhoso, com uma linguagem simples e ilustrações belíssimas. A ajuda perfeita para os crescidos darem resposta àquela que é uma das perguntas mais complicadas de sempre!


Todos as crianças gostam de fazer perguntas. Mas há questões que colocam os pais em situações embaraçosas. E um dos temas mais desconfortáveis é a clássica pergunta: como é que os bebés nascem? Por mais que seja difícil responder, não há como fugir.
 Como ilustrações maravilhosas, Como É que Ele foi parar aí Dentro? vai ajudar os pais a ultrapassarem esta complicada missão.


 

sábado, julho 16, 2016

A Maldição do Vencedor

Kestrel, jovem filha do poderoso general de Valoria, tem apenas duas opções: alistar-se no exército ou casar-se. Ela tem, no entanto, outras aspirações e procura libertar-se do seu destino, rebelando-se contra o pai.

Num passeio clandestino pela cidade, Kestrel vai parar a um leilão de escravos, onde se depara com um jovem, Arin, que parece querer desafiar o mundo inteiro sozinho. Num impulso, ela acaba por comprá-lo — por um preço tão alto, que a torna alvo de mexericos na sociedade.

Arin pertence ao povo de Herrani, conquistado dez anos antes pelos Valorianos. Além de ser um ferreiro exímio, revela-se também um cantor extraordinário, despertando a curiosidade de Kestrel. Arin, contudo, tem um segredo, e Kestrel não tardará a descobrir que o preço que pagou por ele poderá custar muito mais do que aquilo que alguma vez imaginara.




«É um livro espetacular! Uma história ousada e inteligente sobre a lealdade, o amor, a família e o poder… Obrigatório ler!» - The Guardian

«A caraterização rica das personagens, a construção meticulosa do mundo e o enredo sólido fazem deste livro uma história com uma inteligência e uma profundidade pouco comuns.» - Kirkus Reviews

«Uma história épica, rica em imaginação, com batalhas arrepiantes e alianças dúbias. O final cheio de suspense deixará os leitores desejosos de ler o próximo livro.» - Publishers Weekly



Sobre o livro:

Ao conversar com uma amiga economista, Marie Rutkoski ficou a conhecer o conceito de «maldição do vencedor». De modo simples, descreve como o vencedor de um leilão também perde, ao ganhar a licitação pagando mais do que a maioria dos licitantes decidiu que valia o artigo em causa. Neste caso, e transportando este conceito para a literatura, "conquistar aquilo que desejas pode custar tudo o que amas". 


A Maldição do Vencedor é uma história emocionante, cheia de intrigas e segredos, jogos de poder e alianças perigosas, que deixarão o leitor em suspenso até à última página.



Dois povos inimigos.

Uma guerra iminente.

Uma atração proibida.

Sobre a autora:

Marie Rutkoski é autora de diversos livros, bestsellers do New York TimesFrequentou a Universidade do Iowa, viveu em Moscovo e em Praga, e estudou Shakespeare na Universidade de Harvard.
Atualmente é professora de Literatura Inglesa no Brooklyn College.
Saiba mais sobre a autora em www.marierutkoski.com