Nacionalmente Bom

Autores Portugueses

Estrelas Em Contos

Opiniões de Contos

eBooks

Leitura Digital

Crónicas de Uma Desastrada

Sou uma Desgraça de Metro e Meio

Autores do Brasil

Divulgação e Opinião

quinta-feira, fevereiro 28, 2013

Apresentação de Abaddon no Fantasporto

Apresentação do livro "Abaddon" no Espaço Cidade do Cinema, no 3º piso do Teatro Rivoli. O evento está marcado para as 18h do dia 7 de março e a entrada é livre. A apresentação do livro estará a cargo de Nuno Reis, administrador da SCIFIWORLD PORTUGAL, e no final haverá espaço para a venda de exemplares e sessão de autógrafos.


Um evento a não perder :)

sábado, fevereiro 23, 2013

As Trevas da Paixão - Gil # 10




Nesta altura da minha história, muitos de vocês já devem ter perguntado como é que uma rapariga como eu consegue ter tanto azar. Pois é, meus queridos, nem eu vos sei responder. Só sei que fiquei sem palavras quando entrei no maldito vestiário e vi o meu homem entalado entre duas mulheres…
Uma atrás dele, a beijar-lhe as costas e a outra, a que estava diante dele, a dar-lhe um dos seus mamilos a provar, fitou-me o olhar aterrorizado e brindou-me com o seu melhor sorriso.
                Diana tinha razão, Matilde era uma vaca sem sal e a prova estava ali diante dos meus olhos, dentro da sala onde me tinha entregue aquele homem, na esperança de vir a ter uma família, filhos… etc, etc, etc…
                Não rompi em histerias, nem tão pouco falei. Simplesmente voltei costas e desci às urgências, onde a minha amiga, a única pessoa que nunca me trairia aguardava-me.
                As lágrimas não vieram, a raiva desapareceu e eu foquei toda a minha força, toda a minha atenção na minha amiga, que no espaço de tempo em que eu recebia a minha terceira estalada amorosa tinha recuperado a consciência e estava tão desnorteada quanto eu. Mas eu tinha que cuidar dela, para que depois, quando a tempestade de nome traição se abatesse sobre mim, ela tivesse força suficiente para me amparar e recuperar os cacos perdidos do meu coração.
                Quando a médica das urgências deu alta medica a Diana, apressei-me a chamar um táxi para nos levar a casa. A casa dela, já que não me atrevia a ficar sozinha pois sabia que quando o fizesse, quando não tivesse nada com que me entreter e manter-me ocupada, o sabor da traição envolver-me e destronar-me-ia, sem dó em piedade. Diana perguntou-me o que eu tinha, visto estar com um aspecto piro que o dela, e eu, cobarde, usei a desculpa da intoxicação para me livra de um interrogatório. No entanto, mesmo tendo passado por um ma bocado, ela sabia que lhe estava a mentir.
                - Algo de grave se passa e podes esquecer o maldito Sushi como resposta. – disse ela enquanto se aconchegava num dos lados da cama – Mas amanha, não me escapas. Quero saber o que aconteceu.
                Eu engoli em seco e anui com a cabeça. Não valia a pena tocar naquela merda de assunto aquela hora da noite.
                Não consegui pregar olho e só consegui pensar na espécie de pessoa que eu devia ter sido numa outra vida porque só podia ser mesmo uma pessoa terrível, para levar cm um azar daqueles. Aquilo não era normal. Três relações falhadas. Três traições. Três desgostos, um a seguir ao outro. Um pior que o outro.Não, alguma coisa não estava bem. Alguma coisa não batia certo. Era bruxedo. Tinham-lhe rogado um feitiço, uma praga qualquer coisa. Só podia. Ninguém tinha tanto azar.
                Diana mexeu-se na cama e quando dei conta, tinha aqueles enormes olhos castanhos presos em mim.
                - Já acordada? – perguntei, atrapalhada, a limpar as lágrimas que finalmente me brindavam com a sua presença.
                - Vais dizer-me o que se passa e é agora. Vá, Eloisa, o que foi, conta-me. Sem rodeios! – exigiu a minha amiga, com cara de sono, olheiras profundas, maquilhagem por remover e cabelo despenteado.
                Não aguentei e entre fungadelas e soluços choros contei-lhe a cena sexual com que Gil me brindara na madrugada passada, quando mais eu precisava dele. Mas o piro foi quando toquei no nome da Matilde. Diana explodiu, e se até à data detestava a miúda, agora odiava-a de morte.
                Quando parei de chorar e me recompus, também Diana estava mais calma. Peguei nas minhas coisas quando o táxi chegou.
                - Promete que não lhe vais fazer nada? – pedi.
                - Não percebo… - Diana rangeu os dentes indignada.
                - Eles não merecem que,…
             - Não amiga, quem não merece és tu. – Di, bufou exasperada – Mas ok. Não vou à procura dela…
                Beijei Diana no rosto, pedi-lhe que descansasse e regressei a minha casa.

                Não posso dizer que foi fácil, ultrapassar o choque. Mas também não foi difícil, nem foi de ficar a querer morrer no sofá. Segui a minha vida. Levantei a minha cabeça e avancei com a minha vida. De que me adiantava ficar a chorar no sofá? De nada para além de ganhar uma dor de cabeça e ficar com os olhos tão inchados como se eles me fossem saltar da cara. Não, já lá tinha ido o tempo em que isso acontecia.
                Dediquei-me ao trabalho e foi precisamente numa das minhas tardes de trabalho, que Gil apareceu por lá. Não me engasguei por muito pouco. Ele pediu para falar comigo e eu cedi. Não porque quisesse falar com ele, mas porque não queria escândalos no meu local de trabalho.
                Sentámos numa mesa do bar e ele sorriu-me. Bandido. Apetecia-me bater-lhe!
                - 'Tás bem. Quero dizer, pareces-me bem!
Eu ri-me, de uma forma totalmente descontrolada. Quando recuperei, tinha-o a olhar para mim de boca aberta.
                - O que foi, meu querido? – disse com sarcasmo – Achavas o quê? Que ia ficar em casa, trancada, a chorar por ti? Desculpa amor, mas essa fase já passou. E se era isso que querias, lamento, mas estás a perder o teu tempo…
Levantei-me e preparei-me para me afastar da mesa, quando ele me agarrou o braço.
                - Espera. Não foi isso… é que… Bolas, devo-te um pedido de desculpa. – disse ele – A sério. Não foi por mal.
                - O quê? Não foi por mal? Mas estás a brincar comigo?!
                - Deixa-me explicar. Por favor, ouve-me… Eu… Eu… Caraças, Eloisa… eu tenho um problema. – confessou.
                - Ah sim, tens um problema? Azar, meu querido, resolve-o. Deixou der ser um problema meu.
                - Eu não consigo resistir às mulheres. Eu amo-te Eloisa, mas não consigo passar só contigo. – disse ele.
                - Bom, como disse, azar o teu. Deixou de me dizer respeito. Passa bem, Gil.
                Rodei os calcanhares e avancei pelo pátio quando o voltei a ouvir:
                - Se assim é, porque deste uma tareia na Matilde?
Rodei sobre mim mesma, completamente perplexa.
                - Eu o quê? Eu fiz o quê?
Ele levantou-se e veio na minha direcção. Enfiou as mãos nos bolsos e olhou-me com uma espécie de brilho orgulhoso nos olhos.
                - Ela chegou ao hospital com a cara toda vermelha. Arranhada no pescoço, nos braços, por todo o lado. Um olho negro. Não foste tu?
A minha perplexidade falou por mim.
                - Não foste tu. – constatou ao fim de uns segundos.
                - Claro que não fui eu. – disse-lhe quase chateada – Mas já desconfio quem foi.
                Gil acenou com a cabeça e teve a decência de sair do meu local de trabalho sem me dirigir mais nenhuma palavra. Eu, por minha vez, senti-me triunfante. Não tinha descido ao nível dele, tinha conseguido controlar-me e dei por mim a sorrir, para logo de seguida cerrar os olhos e correr em busca do meu telemóvel. Diana devia-me uma explicação.
                - Tu prometes-te. – Disse-lhe, à laia de cumprimento.
                - Eu prometi que não a procurava. Não o fiz. – Disse ela, como se me estivesse a dizer que o sol é amarelo. – Mas não te prometi que me conteria caso ela se atravessasse no meu caminho.
                - Diana, podes vir a ter problemas. Não vale a pena. – Ralhei. Ela era maluca e um dia ainda pagava caro por isso.
                - Não me importa. Quem se mete com os meus, mete-se comigo. Além disso, deu-me um gozo enorme, poder arranhar aquela cara sonsa.
                - És doida… Mas adoro-te. És uma boa amiga, sabias? – Disse, a tentar controlar as lágrimas.

***



quinta-feira, fevereiro 21, 2013

Ausência...

Boa Noite Estrelinhas,

bem.. venho avisar que irei estar temporariamente ausente, por motivos pessoais, mas nada de grave :) estarei de volta num instante e com mais novidades para vocês. E calma... eu sei, eu sei... o passatempo esta a decorrer e EU vou cá estar antes de ele acabar :) mas infelizmente, este inicio de ano não me está a correr como esperava e então... está difícil.

Mas a Soraya estará aqui com vocês


Ate breve minhas estrelinhas :)

Nádia Santos

Mini Férias

Boa Noite,

pois é... parece-me que este fim e este inicio de ano, não me está a correr da melhor maneira. Começo a ficar chateada, irritada e tudo mais! Se bem que já me disseram, começa mal para acabar em grande, será? Primeiro era o meu portátil com os "xeliques", ora era a ventoinha que pifava, ora era a placa gráfica  ora era a motherboard que deu o breco... se bem que ate ao dia de hoje (21 de Fevereiro) o meu portátil parece um psicopata, passo a explicar... ele anda com tentativas suicidas... tem umas brancas...os pretas... seja o que for eu acho que está a chegar a sua ultima hora... que deusa dos Portais o acompanhe....(mas não este ano!!! que estou a fazer uma vaquinha para comprar um...por isso Sr. Hp dos "xeliques" nada de morrer!!! Se não acabo com a tua raça!) Tirando isso, entrei o ano em grande!!! Dei entrada no hospital, estive  7 dias sem comer (ai que fuminha que passei) depois fui operada, e estive mais dois dias sem comer (aí sim, já estava mais que morta de fome). E por fim...quando chego a casa? Descanso... nop, vocês estavam a pensar, sim ela foi ler! Nop, as dores que tinha, nao me apetecia... e por fim..quando me sinto as mil maravilhas, começo a ler... a fazer as minhas pequenas opiniões... e é que chega ao dia de hoje... e puffff ..... fez-se chocapic.... Vou estar temporariamente sem PC, fantastico não é? Digam lá...estou ou não estou amaldiçoada? Ainda o Acheron se diz amaldiçoado, pois sim... ele que experimente a estar sem Computador, que ele vai ver o que é a maldição a serio!

Por isso, como podem ver...vou mais uma vez estar ausente....

Beijinhos

Novidades Saída de Emergência 22 Fevereiro


Dragões de um Crepúsculo de Outono
MARGARET WEIS, TRACY HICKMAN

Chancela: Saida de Emergência
Coleção: BANG
Saga/Série: As Crónicas de Dragonlance  Nº: 1
Data 1ª Edição: 22/02/2013
ISBN: 9789896374907
Nº de Páginas: 448
Dimensões: [160x230]mm
Encadernação: Capa Mole

Sinopse
Uma história de grande imaginação, inovadora e de leitura compulsiva vinda dos autores de fantasia mais populares desde J. R. R. Tolkien.

Prepare-se para conhecer o clássico da fantasia Dragonlance que influenciou gerações de leitores com um novo mundo cheio de paixão e aventura.

Anos após terem optado por seguir caminhos diferentes, um grupo de companheiros reencontra-se na sua terra natal apenas para descobrir que o mundo de Krynn mudou. Rumores de guerra e sombras dominam as conversas de estalagem e monstros e criaturas míticas que só existiam em lendas voltaram a ser avistados. E nenhum companheiro se atreve a confidenciar os segredos que oculta no coração e que descobriu em viagens cheias de perigo.

Até ao dia em que um encontro ocasional com uma bela mulher, que detém em seu poder um bastão de cristal, arrasta os companheiros para o caos e muda as suas vidas para sempre. Ninguém esperava que se revelassem heróis. Muito menos eles. Mas conseguirão arranjar a força, honra e coragem para enfrentar os Deuses da Luz e Trevas no momento em que a Guerra da Lança está prestes a começar?




A Voz
ANNE BISHOP

Chancela: Saida de Emergência
Data 1ª Edição: 22/02/2013
ISBN: 9789896374921
Nº de Páginas: 128
Dimensões: [110x170]mm


Sinopse
Uma obra original da autora da Trilogia das Jóias Negras, escritora consagrada nos tops do New York Times 

Uma novela pertencente ao mundo Efémera



Numa aldeia vizinha da cidade de Visão ninguém conhece o sabor da mágoa e da angústia, mas essa comunidade, aparentemente idílica, esconde um segredo tenebroso. Quando era pequena, Nalah não percebia porque a mandavam levar um bolo à menina muda a quem chamavam «A Voz» sempre que se sentia mal. Sabia apenas que isso a ajudava a melhorar. Já crescida, desvenda esse mistério e anseia por fugir da aldeia opressiva onde sempre viveu. Só depois de visitar a cidade de Visão e de conhecer o Templo das Mágoas, compreende o que tem de fazer para se libertar…


Pack O Terror
DAN SIMMONS


Chancela: Saida de Emergência
Data 1ª Edição: 22/02/2013
ISBN: 9789896374860
Nº de Páginas: 720
Dimensões: [160x230]mm
Encadernação: Capa Mole


Sinopse
“Um romance intenso, absorvente e arrepiante como só Dan Simmons podia escrever.” -Stephen King

Na primavera de 1845, Sir John Franklin comanda uma expedição de dois navios e 130 homens numa viagem arrojada para o distante e desconhecido Árctico. O seu objectivo: encontrar e mapear a lendária Passagem do Noroeste que, supostamente, ligará os oceanos Atlântico e Pacífico.

Dois anos depois, a expedição, que começou sob um espírito de optimismo e confiança, enfrenta o desastre. Franklin está morto. Os dois navios (o Erebus e o Terror) estão fatalmente presos nas garras do gelo. As rações e o carvão escasseiam e os homens, mal preparados, lutam diariamente para sobreviver ao frio letal.

Mas o seu verdadeiro inimigo é bem mais aterrorizador. Existe algo à espreita nas trevas glaciais: um predador oculto que captura marinheiros e abandona os seus corpos na vastidão de gelo…

O Terror é simultaneamente um romance histórico rigorosamente pesquisado e uma homenagem ao melhor que a literatura de horror ofereceu até hoje.







Depois de Rosamund Lupton [Civilização]


A autora do bestseller Irmã tem já uma legião de fãs em Portugal
Civilização publica Depois de Rosamund Lupton
É um incêndio e eles estão lá dentro. Eles estão lá dentro… Fumo negro mancha o céu azul de verão. Uma
escola está a arder. E uma mãe, Grace, vê o fumo e corre. Sabe que Jenny, a sua filha adolescente, está lá
dentro. Corre para o edifício em chamas para a salvar.  Depois é o  segundo romance  da autora do
bestseller Irmã, Rosamund Lupton. Entrou diretamente para o Top10 da Sunday Times Bestseller List nas
primeiras semanas de vendas, foi #2 na lista de bestsellers do Sunday Times e #2 na de ficção da Amazon.
O novo romance de Rosamund Lupton chega a Portugal aclamado pela crítica internacional. A forma como
cria o suspense e constrói a narrativa e as personagens ajudaram a criar uma legião de fãs incondicionais.
“Extraordinário […] de parar o coração […] um thriller muito bem construído”, escreve o Mail on Sunday.
“Lupton aborda com visão e entusiasmo o tema do efeito corrosivo da ambição, assegura o Guardian “Tal
como o Irmã, seu romance de estreia, Depois é um best-seller garantido. Lupton encontrou uma forma de
combinar emoção intensa com um enredo empolgante”, conclui o Daily Mirror.
O seu primeiro romance, Irmã, publicado em 2012 com a chancela da Civilização,  foi um dos grandes
bestsellers do ano passado, com mais de meio milhão de exemplares vendidos desde o seu lançamento. Foi
incluído na  Sunday Times Bestseller List e na lista de melhores livros do mês da Amazon. No Reino Unido
esteve vários meses no Top 10 e em Portugal foi também um sucesso de vendas.
Rosamund Lupton ensina Literatura Inglesa na Universidade de Cambridge. Depois de vários empregos em
Londres, incluindo  copywriting e revisão para a  Literary Review, venceu uma competição para jovens
escritores e foi selecionada pela BBC para um curso de jovens escritores. Foi ainda convidada para o grupo
de escritores do Royal Court Theatre. Escreveu guiões originais para televisão e cinema, antes de escrever o
seu primeiro romance,  Irmã, um  bestseller no Reino Unido e nos EUA. O seu segundo romance,  Depois,
também já é um bestseller no Reino Unido. Rosamund vive em Londres, com o marido e os dois filhos.


Título: Depois
Autor: Rosamund Lupton
Título original: Afterwards
Tradução: Odete Martins
Formato: 155 x 235 mm
Páginas: 432 pp.
Encadernação: Capa mole
Subfamília: Romance
EAN: 9789722633826
ISBN: 978-972-26-3382-6
PVP: 16,90 €
Lançamento: Fevereiro de 2013


SINOPSE

É um incêndio e eles estão lá dentro. Eles estão lá dentro… Fumo negro mancha o céu azul de verão. Uma escola está a
arder. E uma mãe, Grace, vê o fumo e corre. Sabe que Jenny, a sua filha adolescente, está lá dentro. Corre para o
edifício em chamas para a salvar. Depois, Grace tem de descobrir a identidade do autor do incêndio e proteger a sua
família da pessoa que continua determinada a destruí-los a todos. Depois, tem de forçar os limites da sua força física e
descobrir que o amor não conhece limites.

O TÍTULO MAIS RECENTE DA AUTORA PUBLICADO PELA CIVILIZAÇÃO:



Trinta por Uma Linha de António Torrado [Civilização]


Uma coletânea de contos muito divertidos unidos por uma linha, ilustrada por Cristina Malaquias

Civilização publica Trinta por Uma Linha de António Torrado

Trinta por Uma Linha reúne trinta pequenos contos muito divertidos, todos ligados por uma linha que faz 
nós e corrupios, desde a Aldinha que gosta tanto da escola que decide ensinar as formigas a ler, à gota de 
água que não quer cair em qualquer lugar até à bolacha Maria que não queria ser simplesmente Maria, 
queria ter mais nomes próprios e apelidos. Escrito por António Torrado, com o seu humor peculiar, o novo 
livro do popular autor é ilustrado por Cristina Malaquias. Este livro é recomendado pelo PNL como leitura 
autónoma ou de apoio para crianças no 3.º ano de escolaridade.
António Torrado é um dos autores mais conhecidos e admirados do nosso país. Licenciado em Filosofia e 
com uma atividade muito diversa, de escritor a pedagogo, jornalista, editor, produtor e argumentista para 
televisão, publicou o primeiro livro aos dezoito anos. Vencedor do Grande Prémio Gulbenkian de Literatura 
para Crianças em 1980 e 1988, em 2011 foi homenageado pelos quarenta anos de carreira no famoso 
encontro “Palavras Andarilhas”. 
As suas histórias e contos são, invariavelmente, primeiras leituras divertidas e didáticas. Tem mais de cem 
livros publicados. Em 2011, foi nomeado para o prémio Ibero-Americano SM de Literatura Infantil e Juvenil.


quarta-feira, fevereiro 20, 2013

Top Bulhosa/Leitura: semana de 11 a 17 de fevereiro


FICÇÃO

1 Engano
Philip Roth
Dom Quixote

2 As Cinquenta Mais Negras
E. L. James
Lua de Papel

3 O Estilete Assassino
Ken Follett
Bertrand

4 As Cinquenta Sombras Livre
E. L. James
Lua de Papel

5 As Cinquenta Sombras de Grey
E. L. James
Lua de Papel

6 Uma Casa de Família
Natasha Solomons
Asa

7 O Ano Sabático
João Tordo
Dom Quixote

8 Mafalda de Saboia
Diana de Cadaval
A Esfera dos Livros

9 Cafuné
Mário Zambujal
Clube do Autor

10 A Ponte dos Assassinos
Arturo Pérez-Reverte
Asa


NÃO-FICÇÃO

1 Segredos da Maçonaria
António José Vilela
A Esfera dos Livros

2 Porque Falham as Nações
Daron Acemoglu
James A. Robinson
Temas e Debates

3 Escândalos da Monarquia Portuguesa
Ricardo Raimundo
A Esfera dos Livros

4 Basta!
Camilo Lourenço
Matéria-Prima

5 Só Avança quem Descansa
Vasco Pinto de Magalhães
Tenacitas

6 Citações de Salazar
Paulo Neves da Silva (Org.)
Casa das Letras

7 História da Inquisição Portuguesa 1536 - 1821
Guioseppe Marcocci
A Esfera dos Livros

8 Jaime Neves - Homem de Guerra Boémio
Rui de Azevedo Teixeira
Bertrand

9 Jesus de Nazaré - A Infância de Jesus
Joseph Ratzinger
Principia

10 Rescaldo e Mudança - As Culturas da Crise Económica
Castells / Caraça / Cardoso (Org.)
Esfera do Caos


INFANTO-JUVENIL

1 O Trio da Dama Negra - Sherlock, Lupin e Eu
Irene Adler
Civilização

2 Os Cinco e a Ciganita
Enid Blyton
Oficina do Livro

3 O Quarto Ano no Colégio das Quatro Torres
Enid Blyton
Oficina do Livro

4 Tsunami
Robert  Muchamore
Porto Editora

5 O Estranho Caso da Torre Palhaça
Geronimo Stilton
Presença

6 Teatro às Três Pancadas
António Torrado
Caminho

7 A História da Aranha Leopoldinha
Ana Luísa Amaral
Civilização

8 Quebra Cabeças - A Casa do Mickey
PI

9 Isto É Londres
M. Sasek
Civilização

10 As Gémeas no Colégio de Santa Clara
Enid Blyton
Oficina do Livro


Criaturas Maravilhosas de Margaret Stohl, Kami Garcia - No Cinema


Criaturas Maravilhosas
de Margaret Stohl, Kami Garcia
Alguns amores estão destinados a acontecer… Outros estão amaldiçoados.
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 480
Editor: Edições Gailivro
ISBN: 9789895577576
Coleção: 1001 Mundos
Faixa etária: a partir dos 13 anos


Sinopse

Lena Duchannes é diferente de qualquer pessoa que a pequena cidade sulista de Gatlin alguma vez conheceu. Ela luta para esconder o seu poder e uma maldição que assombra a família há gerações. Mas, mesmo entre os jardins demasiado crescidos, os pântanos lodosos e os cemitérios decrépitos do Sul esquecido, há um segredo que não pode ficar escondido para sempre. Ethan Wate, que conta os meses para poder fugir de Gatlin, é assombrado por sonhos de uma bela rapariga que ele nunca conheceu. Quando Lena se muda para a mais infame plantação da cidade, Ethan é inexplicavelmente atraído por ela e sente-se determinado a descobrir a misteriosa ligação que existe entre eles. Numa cidade onde nada acontece, um segredo poderá mudar tudo.




Data de estreia: 2013-02-28
Título Original: Beautiful Creatures 
Realizador: Richard LaGravenese
Actores: Emma Thompson, Emmy Rossum, Jeremy Irons, Viola Davis, Thomas Mann, Alice Englert 
País: EUA
Ano: 2013
Género: Drama








terça-feira, fevereiro 19, 2013

Opinião - A Lenda Negra


Autor Christine Feehan
Titulo        A Lenda Negra
Editora Bertrand Editora
Nº Páginas 320

Sinopse:

Acordou no seio da terra, e a primeira coisa que sentiu foi fome- uma avassaladora necessidade de sangue que exigia ser saciada. Mas enquanto batia as sombrias ruas de Paris em busca de uma presa, ouviu uma voz chamar por si, e foi invadido por uma calma e uma força que lhe permitiram controlar o sei desejo.

Francesca Del Ponce era uma curandeira que irradiava bondade com a mesma intensidade com que o Sol irradia luz. Era contudo certo que a obsessão de Gabriel por ela haveria de o transformar, da mesma forma que o seu irmão gémeo se transformara, dando assim ao mundo dois monstros em vez de um.
Embora soubesse que ela seria como seda quente nos seus braços, e que o seu sabor seria viciante, temia pela vida dela e pela própria alma caso a tomasse. Foi então que, com um desconcertante voto, ela se lhe entregou: « Ofereço livremente, sem reservas, ofereço a minha vida pela sua, tal como é de meu direito.» E com a explosão de sentimentos há muito esquecidos, Gabriel vislumbrou a salvação.

Opinião:

Houve dois pontos que me saltaram à vista e ao qual me deixou um pouco "confusa".

1º No inicio da historia é dito " Logo que irrompeu no ar vestiu uma comprida capa com capuz", ok! Alguém me sabe dizer a onde é que ele foi buscar a capa? Tipo, ele esta no cemitério .. estava enterrado! Por sinal, a "longos" séculos, o tecido já teria apodrecido...digo eu.

2º O pobre desgraçado ando séculos a "caçar" o irmão gémeo  (ate Gabriel se ter prendido com o irmão debaixo da terra). Quando Gabriel acorda, sente que Lucian também acordou.... portanto tem que caça-lo antes que seja tarde demais... Mas pouco depois de conhecer Francesca, Gabriel "esquece" que tem de perseguir Lucian...


Estes são os dois pontos negativos, que na minha opinião a autora não teve em atenção. Mas não é por ai que o gato vai as filhoses não é?!

A Lenda Negra é sem sombra de duvidas uma boa historia, onde cada personagem tem o seu papel "principal" tornando este livro interessante, o amor de Brice, o sofrimento de Skyler, a frieza de Lucian, mas também a parte "humana" deste. A força e bondade de Francesca e a determinação de Gabriel. A autora consegue envolver-nos neste pequeno mundo.


Opinião "Ilusões"


Ilusões
Série Wings Vol. 3
de Aprilynne Pike
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 304
Editor: Edições Contraponto
ISBN: 9789896661274

Sinopse

Laurel não via Tamani desde que num momento de raiva, há um ano atrás, o mandou embora. E, por muito que o seu coração ainda doa, Laurel sabe que David foi a escolha certa. Agora que a sua vida estava a voltar ao normal, Laurel descobre que um inimigo oculto está a cercá-la. Mais uma vez, Laurel vai ter de pedir ajuda a Tamani para a proteger e ajudar, uma vez que o perigo que agora ameaça Avalon é mais poderoso do que aquele que uma fada poderia imaginar - e, pela primeira vez, Laurel não pode ter a certeza de que o seu lado sairá vencedor.

Opinião:

Ilusões é o terceiro livro da serie Wings, editados pela contraponto, sendo o 1º O Beijo dos Elfos e o 2º Feitiços.

Ilusões trás-nos uma historia de mistério, que no decorrer da narrativa nos deixa cada vez mais curiosos para saber o que se irá passar na pagina seguinte, e o motivo deste é a chegada de Yuki.
Enquanto lia, ouve uma parte em que larguei o livro e disse " até que enfim", pensando eu que a Laurel, ja se tinha tornado uma personagem mais forte e decidida. Caramba, a rapariga parece uma galinha de poleiro em poleiro, ora David ora Tamani. Desculpem o desabafo, mas e a parte que mais me enerva nesta historia.

Fiquei curiosa para saber o que aí vem. Afinal de contas, quem é Yuki?Será ela o inimigo oculto? Para mim foi uma leitura magica, leve e envolvente. O Final deste, mostra que o próximo volume será sem sombra de duvida um livro que não se pode perder, pois neste ficaremos a saber quem é Yuri, quem é o inimigo e que perigos andam a espreitar  Laurel


Opinião O Beijo dos Elfos

segunda-feira, fevereiro 18, 2013

LANÇAMENTOS: FEVEREIRO 2013 / FICÇÃO JUVENIL & INFANTO-JUVENIL [Civilização]



O Trio da Dama Negra (Sherlock, Lupin e Eu #1) – Irene Adler [PERSONAGEM FICCIONADA NOS CONTOS DE CONAN
DOYLE; NA VERDADE, QUEM ASSINA A COLEÇÃO É O FAMOSO PIERDOMENICO BACCALARIO]

SINOPSE:

Sherlock Holmes, Arsène Lupin e Irene Adler conhecem-se em Saint-Malo, por volta de 1870. Deveriam estar
de férias, mas o destino trocou-lhes as voltas e os três veem-se envolvidos num crime: um colar de diamantes
desaparece, é encontrado um homem sem vida na praia e uma silhueta escura aparece e desaparece sobre os telhados
da cidade. A polícia está desorientada. Alguém terá de resolver o mistério…
PÁGINAS: 224 | TRADUÇÃO: Francesco Mai | CAPA MOLE | PVP: 9,20 €


O Segredo de Skye (As Irmãs da Caixa de Chocolate #2) – Cathy Cassidy [XXXXXX]

SINOPSE:

Quando Scott, Jack e Emily descobrem que está a ser rodado um filme no casarão das redondezas, não
resistem a ir ver. Mas quando a deslumbrante atriz principal desaparece, os amigos apercebem-se de que têm um
novo mistério para desvendar! Será que a estrela do filme foi raptada por um fã louco? Será que fugiu com o
namorado? Ou ter-se-á aventurado no sótão do casarão e perturbado o lendário fantasma que o assombra? Este é o
segundo intrigante mistério de uma nova série de fantásticas aventuras!
PÁGINAS: 336 | TRADUÇÃO: Mafalda Acebey | CAPA MOLE | PVP: 8,50 €Para mais informações, contacte:
Pedro Salazar | Assessoria de Imprensa | 91 279 09 89 | ps@pedrosalazar.pt | ou consulte… www.civilizacao.pt


3. LIVRO ILUSTRADO – INFANTO-JUVENIL

Trinta por uma Linha – António Torrado
SINOPSE: Neste livro da autoria de António Torrado reúnem-se trinta contos pequenos, muito divertidos, muito
engraçados. Desde a Aldinha que gosta tanto da escola que decide ensinar as formigas a ler; A gota de água que não
quer cair em qualquer lugar; A bolacha Maria que não queria ser simplesmente Maria, queria ter mais nomes próprios
e apelidos, e muito mais. As histórias são ligadas por uma linha que, desde a capa á contracapa passa por todas as
páginas do livro, faz nós e corrupios, brinca com as histórias, entra nelas e estrutura toda a ilustração de Cristina
Malaquias.
PÁGINAS: 112 | ILUSTRADOR: Cristina Malaquias | CAPA DURA | PVP: 13,99 €

LANÇAMENTOS: FEVEREIRO 2013 / FICÇÃO/NÃO FICÇÃO [Civilização]




A Herdade – Jane Smiley [Este romance venceu o pulitzer e o national book critics' Circle Award]

SINOPSE:

O romance A Herdade, best-seller vencedor do prémio Pulitzer, foi escrito por uma das maiores romancistas
americanas da atualidade. A propriedade de Larry Cook é a maior de Zebulon County, Iowa, e um reflexo do seu
trabalho e perseverança. De um momento para o outro, Larry, um homem orgulhoso e possessivo, decide reformar-se
e doar a propriedade às suas três filhas, numa atitude pouco típica do seu temperamento. Ginny e Rose, as filhas mais
velhas, ficam surpreendidas com a atitude do pai mas ansiosas por aceitar. Caroline, a mais nova, tem algumas dúvidas
e, de imediato, o pai exclui-a. Em A Herdade, Jane Smiley transpõe a história de O Rei Lear para a atualidade e, ao fazer
isso, lança uma nova luz sobre o original de Shakespeare ao mesmo tempo que o transforma de forma subtil. Este
romance surpreendente foi galardoado com os dois prémios literários mais prestigiados da América, o Prémio Pulitzer
para ficção e o National Book Critics’ Circle Award.
PÁGINAS: 456 | TRADUÇÃO: Helena Lopes | CAPA MOLE | PVP: 15,90 €


Como Tudo Começou – Penelope Lively [AUTORA RECEBEU BOOKER PRIZE EM 1987; NOMEADO PARA IMPAC]

SINOPSE:

Quando Charlotte é assaltada e fratura a anca, a sua filha Rose não pode acompanhar o patrão, Lord Peters, a
Manchester, por isso a sobrinha dele, Marion, tem de ir no seu lugar; Marion envia ao amante uma mensagem escrita
que é intercetada pela mulher… e isto é apenas o início de uma cadeia de acontecimentos que irão alterar várias vidas.
Neste romance sedutor, absorvente e escrito de forma brilhante, Penelope Lively mostra-nos como um simples
acontecimento acidental pode significar a destruição e salvação de um casamento, uma oportunidade que aparece e
depois desaparece, o encontro entre dois amantes que de outra forma nunca se teriam conhecido e a mudança
irrevogável de várias vidas. Divertido, humano, comovente e astucioso, Como Tudo Começou é um trabalho brilhante
de uma autora que está no seu melhor.
PÁGINAS: 264 | TRADUÇÃO: Odete Martins | CAPA MOLE | PVP: 16,50 €


Depois – Rosamund Lupton [AUTORA DO BESTSELLER IRMÃ; ENTROU PARA TOP 10 SUNDAY TIMES E AMAZON]

SINOPSE:

É um incêndio e eles estão lá dentro.  Eles estão lá dentro… Fumo negro mancha o céu azul de verão. Uma
escola está a arder. E uma mãe, Grace, vê o fumo e corre. Sabe que Jenny, a sua filha adolescente,  está lá dentro.
Corre para o edifício em chamas para a salvar. Depois, Grace tem de descobrir a identidade do autor do incêndio e
proteger a sua família da pessoa que continua determinada a destruí-los a todos. Depois, tem de forçar os limites da
sua força física e descobrir que o amor não conhece limites.
PÁGINAS: 432 | TRADUÇÃO: Odete Martins | CAPA MOLE | PVP: 16,90 €




1º Passatempo "Perdidos" de Rute Canhoto

Boa Tarde,
minhas lindas estrelinhas.

 É com muito prazer que anuncio o primeiro passatempo do Blog Livros Nas Estrelas, em parceria com a nossa euedito.

E para abrir-mos em grande, escolhemos uma obra portuguesa. Pois o que é Nacional é bom :)

Regras:

  1. O Passatempo decorrerá até as 23:59 do dia 3 de Março
  2. Haverá 2 (dois) vencedores
  3. Só poderá haver uma participação por pessoa/email
  4. O Sorteio será efectuado pelo Random.org
  5. Participações em Portugal
  6. A Administração do Blog não se responsabiliza por possíveis extravio de exemplares enviados.


Ver Respostas Aqui



sexta-feira, fevereiro 15, 2013

As Trevas da Paixão - Gil # 9

 
Rimos. Choramos de riso. E quase, por muito pouco, não nos mijamos a rir. Sim, é o que dá ter um jantar com a melhor amiga. Há medida que o jantar foi fluindo, Gil foi mandando mensagens, perguntando como estava a correr e dizendo-me como estava correr o trabalho dele. Felizmente era uma noite calma.
                Diana ia-me contando as suas últimas experiências no que, a encontros dizia respeito e eu ia-lhe fazendo uma ou outra confidência que, lhe arrancava aquelas gargalhadas contagiantes e que punha os olhos todos do restaurante pregados em nós as duas, sentadas numa mesa discreta a meio do restaurante. Bom, seria discreta caso Diana se risse de uma forma normal e contida, mas a minha amiga era assim, espontânea ao expoente máximo. O que podíamos fazer, se não aproveitar a situação?
                Depois de horas a comer Sushi, a brincar com os pauzinhos e a beber saquêque nem umas malucas, acabamos por pagar a conta e sair para apanharmos um táxi até à nossa próxima paragem: um bar acolhedor perto do centro histórico.
                Quando lá chegamos a música ambiente condizia com o nosso estado de espírito alegre e bem-disposto. Deixamos os casacos e fomos ao bar buscar as nossas bebidas. Dançamos um pouco. Bebemos. Voltamos a dançar, conversamos e foi aqui que a noite começou a descambar. Diana sentou-se num dos sofás e começou a esfregar a testa, como se estive mal disposta. E estava, dizia-me que não se estava a sentir bem e pediu que a acompanhasse ao WC.
Estava pálida, mais branca que as loiças dos lavabos.
                - Estás bem amiga? Oh meu Deus, estás tão pálida! – disse-lhe, enquanto lhe passava a mão pelo braço.
                - Isto já passa… deve ter sido da bebida… - disse ela, enquanto se dirigia a uma das cabines com sanita, baixava a tampa e se sentava lá um pouco.
                - Queres uma garrafa de água? – Diana fez que sim e eu corri para o bar. Quando regressei, ouvia os puxos dos vómitos da minha amiga. Apressei-me a segurar-lhe a cabeça e o cabelo, ajudando-a a equilibrar-se nos saltos.
                - 'Miga… não estou bem. Não me sinto nada bem.
                - Eu sei, querida, já reparei. Assim que tiveres força, chamo um táxi e vamos embora.
                - Sabes, não me sinto mesmo nada bem.
Foram as últimas palavras de Diana, porque a seguir apagou. Desmaiou-me nos braços e ficamos as duas entaladas na cabine da casa de banho.
                Comecei a gritar por ajuda e por sorte, alguém que tinha ido à casa de banho naquele instante não fugiu a sete pés pensando que era uma brincadeira mas foi buscar ajuda. Chamaram a ambulância porque Diana não recuperava os sentidos e eu fui com ela para o hospital.
                Fiquei uma eternidade de tempo na sala de espera, à espera que alguém me dissesse alguma coisa. Ninguém vinha com notícias. Mandei mensagem ao Gil, avisa-lo que estava no hospital devido à situação e nada. Nem uma palavra dele. Estava já a desesperar quando uma médica, com cabelos brancos e um olhar meio louco me perguntou se era acompanhante de Diana. Disse-lhe que sim e depois de me informar que ela tinha desmaiado devido a uma violenta intoxicação derivado ao Sushi, que lhe tinham lavado o estômago e que ela se encontrava a descansar e que ia ficar bem, dei por mim a cair na cadeira desamparada. Bolas, podia ter acontecido às duas. E com isto não se brinca.
Assim que a doutora saiu e eu me recompus. Não é fácil lidar com a fase seguinte de um estado de adrenalina intenso, dei por mim a passar os corredores em direcção aos elevadores.
                Queria o Gil. Precisava de estar com ele. Precisava de o ver. Já que não me deixavam ver a Diana, talvez com ele pudesse lá ir só para lhe afagar o cabelo e ver que estava realmente bem. Além disso, precisava de consolo. Precisava do consolo do meu homem.
                A viagem de elevador demorou séculos e quando as portas se abriram, voltei a sentir um baque profundo no peito. Uma batida falhada. Um mau pressentimento, se quiserem.
Segui pelo corredor em direcção ao balcão principal da pediatria onde uma enfermeira de serviço me indicou que o Dr. Gil estava na sua pausa no vestiário.
                Agradeci à senhora ainda que por dentro sentisse o coração gelar. Então se estava na pausa, porque não me tinha dito nada? Avancei determinada até a porta do vestiário, sala que eu tão bem conhecia. Aproximei a mão da maçaneta e quando me preparava para abrir a porta, ouvi uma espécie de gemido. E depois outro e outro. Dois gemidos diferentes. E quando me afastei porque de certeza que me tinha enganado, ouvi um terceiro gemido, só que enquanto que os outros me afastaram da porta, aquele fez-me dar um passo em frente e apurar os sentidos.
                Uma raiva crescente tomou conta de mim. Do meu corpo. Do meu discernimento. E antes que a raiva me cegasse, abri a porta de rompante e apanhei o maior choque da minha vida até há data...

quarta-feira, fevereiro 13, 2013

Diário Secreto De Uma Mulher de Sophie Morgan - Asa


DIÁRIO SECRETO DE UMA MULHER
de Sophie Morgan
PVP C/ IVA 14,90€
288 páginas



Em primeiro lugar, quero que saibam que não sou uma depravada. Bem, pelo menos não mais do que qualquer outra pessoa. Quem viesse a minha casa ficaria mais espantado com as pilhas de louça por lavar do que com a minha masmorra. O custo de vida na cidade é demasiado elevado e, dado o meu orçamento, uma masmorra não é mesmo uma opção.

UMA HISTÓRIA REAL



Sobre o livro
Sophie Morgan é uma jovem jornalista de sucesso.
Divertida, inteligente, atraente e generosa, ela podia ser uma das suas amigas. A sua vida é absolutamente banal… com excepção de um “pormenor”: na cama, ela gosta de se entregar a um homem dominador. Sophie é uma submissa. E é também suficientemente ousada para revelar a sua arrojada vida íntima: das primeiras experiências eróticas à recém-descoberta sexualidade, na qual James, um “Christian Grey” da vida real, teve um papel fundamental. É só quando o conhece que ultrapassa verdadeiramente os seus limites. À medida que a paixão entre ambos se intensifica, a questão que coloca a si própria é: até onde será capaz de ir?
Poderá o homem perfeito ser também perfeitamente cruel?

Na senda de 50 Sombras de Grey, este ousado relato pessoal desvenda os segredos e desconstrói os mitos do que realmente significa ser submissa.
Arrojado, controverso e sensual, este Diário está recheado de uma honestidade tão surpreendente que ninguém – homem ou mulher – será capaz de o pousar. E quando terminar, o leitor vai perceber por que razão “Sophie” é um pseudónimo.


Sobre a autora
Sophie Morgan é o pseudónimo de uma jornalista britânica.

sábado, fevereiro 09, 2013

Selo 2013 Literario - Leia Sempre



Recebi da Vera, do Blogue Sinfonia dos Livros e da Maria do Blog O Imaginário dos Livros, este maravilhoso selo, muito obrigada as duas :)


As Regras deste selo são:


  1. Indicar um mínimo de dois livros que gostei de ler em 2012 (sem limite máximo);
  2. Indicar pelo menos três livros que desejo ler em 2013 (sem limite máximo);
  3. Indicar o nome e o link de quem ofereceu o selo;
  4. Oferecer o selo a mais 10 pessoas para dar sequência a este projecto de incentivo à leitura. 

Gostei de Ler:

A Paixão de Nicole Jordan
Aposta Indecente de Matilda Wright
Rosa Irlandesa de Nora Roberts
O Protetor de Madeline Hunter

Desejo Ler em 2013:

Mil Noites de Paixão de Madeline Hunter
Porto das Tormentas de Florencia Bonelli
Pecados escondidos de Emma Wildes





Selo Liebster Award

Um muito obrigada a Vera, do Blog Sinfonia dos Livros por nos ter deixado este Selo.
Este destina-se a blogs com menos de 200 seguidores, como uma forma de incentivo e de reconhecimento.


As regras para a transmissão deste selo são:


  • Lista com 11 factos sobre nós
  • Responder às 11 perguntas que nos atribuíram
  • Nomear 11 bloggers com 200 ou menos seguidores, colocar o link dos respectivos blogs neste post e avisá-los/las sobre os prémios
  • Fazer 11 novas perguntas para esses mesmos bloggers


A minha lista sobre 11 factos meus:

1º  Adoro caminhadas na natureza
2º  Amo ouvir a chuva a cair
3º  Ando sempre com um livro nas mãos
4º A Minha primeira leitura foi: Arrepios - Bem Vindos a Casa da Morte
5º O meu primeiro livro (desde que voltei a ler) foi o Crepúsculo
6º Amo escrever
7º Tenho um filhote LINDO de 6aninhos
8º Odeio acordar cedo
9º Só há duas coisas na vida que tenho medo. (não vou dizer, mas podem sempre tentar adivinhar)
10º Andei na natação 5 anos.... mas não sei nadar (gargalhada)
11º Maior sonho, era ir até a Grécia e fazer um cruzeiro.



Respondendo às perguntas colocadas pela Vera:


1. Que género de livros mais gostas de ler?
     Romance fantástico

2. Qual o teu livro favorito?
    Acheron (entre outros)

3. Qual a tua personagem favorita?
     *riso* Acheron

4. Quantos livros tens?
     uii.... por volta de uns... 400 Livros...fora ebooks que nem me atrevi contar.

5. Qual o teu escritor(a) favorito?
    Madeline Hunter

6. Porque decidiste criar um blog?
    Bem, a maioria dos livros que tenho são de autores estrangeiros, ate que pensei... "onde raio anda os portugueses? Não há?"  Então criei um blog, O Nosso Mundo Sobrenatural, que só fala de vampiros, fadas, bruxas etc...  mais tarde decidi criar este com o mesmo intuito, encontrar autores Portugueses, de Romances, policiais, poesia... E tem sido um passo de cada vez.

7. Qual o teu maior sonho?
     Poder ver o meu filho crescer e ser alguém realizado e feliz, neste pequeno mundo. (Dito assim, pode ate parecer estúpido, mas para quem já esteve com os "pés para a cova", este sonho faz sentido.)

8. Qual a tua viagem de sonho?
     Grécia (não me perguntem porque)

9. Qual a tua primeira leitura do ano 2013?
    Percy Jackson e A Batalha do Labirinto

10. Qual o livro que menos gostaste?
       Que menos gostei.... complicado... mas o livro Intimo e Perigoso de Linda Howard.

11. Qual a editora que mais livros lês?
       Harlequim

Blogs nomeados por mim:


Questões que vos coloco:
  1. Define-te em 2 palavras.
  2. Que mais odeias?
  3. Porque decidiste criar o blog?
  4. Qual é o teu maior sonho?
  5. Qual o teu livro favorito?
  6. Qual o teu vilão literário favorito?
  7. Que mais gostas de fazer?
  8. Imagina que poderias escolher um "mundo romântico / fantástico" para viver o papel da personagem principal, qual escolherias? Porque?
  9. Quantos livros tens?
  10. Vais comprar um livro, o que vês primeiro? Capa ou sinopse?
  11. Quando vais algum lado, qual é a primeira coisa que agarras para levar contigo?


Sessão de autógrafos com o autor Vasco Ricardo [Cancelamento]


Olá estrelinhas, bom sábado, boas leituras!

Infelizmente, por motivos de saúde, o autor Vasco Ricardo foi obrigado a cancelar as sessões de autógrafos previstas para este fim de semana, na zona norte, como estava previsto (podes ver aqui ).

 

As respectivas sessões serão novamente agendadas e posteriormente divulgadas.

Até lá, o blog Livros nas Estrelas deseja ao autor as rápidas melhoras e boa recuperação.

sexta-feira, fevereiro 08, 2013

As Trevas da Paixão - Gil # 8

Não faço ideia se existe vida para além da morte. Se existe inferno e paraíso. Mas se existir, gostaria muito que me fizesse sentir como me tenho sentido nos últimos dias, porque sinto-me como se o paraíso tivesse descido à terra e me tivesse dado um free passe. A vida com Gil era assim mesmo, um verdadeiro paraíso. Ele tinha adaptado o seu turno ao meu. Trabalhávamos mais ou menos nos mesmos horários. Tínhamos as folgas em modo compatível e a vida sorria.
Mais ou menos. Por passar demasiado tempo com Gil, tinha deixado de estar tanto tempo com Diana, que para seu azar, tinha entrado numa maré de poucos funerais. Sim, também na indústria dos mortos havia picos. Ora morria gente às carradas, ora não havia ninguém para morrer. Nem mesmo a tia Micas de noventa e nove anos que continuava a beber o seu bagaço todas as manhãs dava sinal de fraqueza.
                Mas Diana, ainda que ficasse um pouco triste e deprimente, nunca me permitia que fosse ter com ela, quando sabia que tinha combinado alguma coisa com Gil. Ainda assim sentia-me culpada por não dar mais tempo e atenção à minha melhor amiga.
                E então surgiu-me uma ideia, Gil tinha-me dito que muito provavelmente estaria a trabalhar a próxima noite, porque devia um favor a um colega que tinha aniversário de casamento e não podia faltar nem que chovessem pêssegos. Sim, estes tipos de datas são importantes. Devem ser comemoradas. No entanto, tínhamos combinado ir comer Sushi e ele não queria desmarcar, com medo que eu ficasse chateada e porque também já tinha feito a reserva e, uma vez que tinha reservado um prato especifico, perderia a caução se cancelasse.
                Liguei ao Gil e expus-lhe a minha ideia. Ele concordou e ficou feliz por lhe ter resolvido o assunto. Estava decidido, eu e Diana íamos ter uma girls night com direito a jantar num dos melhores restaurantes de Sushi da cidade, cortesia do meu doutor. Segundo ele, um jantar para matar saudades da minha amiga.
                Diana explodiu em risinhos e gargalhadas quando soube o que tínhamos pela frente. Ela delirou com a ideia e deixou-me muito contente. Finalmente a minha vida corria sobre rodas.
                Gil era um homem como poucos. Tratava-me como uma verdadeira princesa. Contado ninguém acreditava. Era um verdadeiro achado, o meu doutor.
                Claro que era vítima da inveja alheia. Principalmente e maioritariamente feminina. Principalmente se a pessoa em questão fosse Matilde, que desde que soubera que eu e Gil andávamos me deixou de falar e passou a agir como se eu a tivesse traído. Olhava-me com frieza e quase a podia ver mudar de cor quando por algum motivo nos encontrávamos por acaso nos elevadores do hospital. Edifício que passei a frequentar mais do que alguma vez esperaria, porque é o que acontece quando se namora um médico.
                Podem não acreditar, mas uma vez, calhou de nos encontrarmos dentro do elevador. Senti que ela me queria dizer alguma coisa. Alguma coisa má, se é que me entendem. No entanto, Matilde saiu do elevador com um olhar gelado e um sorriso mau nos lábios, como se soubesse um segredo que merecia ser revelado e que não o fazia se não por maldade.
Afinal Diana tinha uma vez mais razão, ela era mesmo uma insossa que não conseguia viver com a felicidade dos outros.
                Maus pensamentos de parte, comecei a preparar-me para o jantarinho com a minha melhor amiga. Somos diferentes como a agua e o vinho e no entanto é como se fosse impossível viver sem ela.
Suponho que uma verdadeira amizade seja isto mesmo. Pelo menos para mim, é de certeza.
                Diana encarregou-se de chamar o táxi e de me vir buscar a casa. Segundo ela, se era uma noite de mulheres tinha que ter álcool, e se tinha álcool, não podíamos conduzir. Além disso os táxis funcionavam muito bem numa noite destas. Não que tencionássemos beber até entrar em coma, mas era sempre bom precaver.
                Diana estava linda. E eu também modéstia à parte. A relação com Gil fazia-me bem. Diana tinha um vestido com algumas transparências de cor preto, que lhe caiam como uma luva em cima das suas curvas. O cabelo apanhado num gancho dourado davam-lhe um glamour de estrela de cinema. Já para não falar nos seus sempre fieis saltos agulha que deixavam qualquer um de rastos. Eu tinha optado por uma blusa, toda transparente, com um enorme laço na fronte, uma saia de cinta subida, muito esbelta, que me dava pelos joelhos e claro está, uns botins de salto alto a condizer. Estávamos as duas demasiado chiques para ir comer peixe cru com pauzinhos mas vá, era uma noite especial.

quinta-feira, fevereiro 07, 2013

A Voz de Anne Bishop


Titulo: A Voz 
Autor: Anne Bishop
Chancela: Saida de Emergência

Data 1ª Edição: 22/02/2013
ISBN: 9789896374921
Nº de Páginas: 128
Dimensões: [110x170]mm


Sinopse

Uma obra original da autora da Trilogia das Jóias Negras, escritora consagrada nos tops do New York Times

Uma novela pertencente ao mundo Efémera



Numa aldeia vizinha da cidade de Visão ninguém conhece o sabor da mágoa e da angústia, mas essa comunidade, aparentemente idílica, esconde um segredo tenebroso. Quando era pequena, Nalah não percebia porque a mandavam levar um bolo à menina muda a quem chamavam «A Voz» sempre que se sentia mal. Sabia apenas que isso a ajudava a melhorar. Já crescida, desvenda esse mistério e anseia por fugir da aldeia opressiva onde sempre viveu. Só depois de visitar a cidade de Visão e de conhecer o Templo das Mágoas, compreende o que tem de fazer para se libertar…
Críticas
"O talento de Bishop transparece tanto na sua capacidade para criar histórias repletas de personagens intrigantes, como na sensualidade tórrida da sua escrita."
-Library Journal

"Os universos que inventa são tão desenvolvidos e tridimensionais que parecem saltar das páginas para a realidade."
-Fresh Fiction


terça-feira, fevereiro 05, 2013

Sessão de autógrafos com o autor Vasco Ricardo

Bom dia, estrelinhas
 
Trazemos novidades para vocês e desta vez em português.
 
E que tal uma sessão de autógrafos na Fnac Santa Catarina e na Fnac Gaiashopping com um autor português?

A Pastelaria Studios tem o prazer de vos convidar a todos para duas tardes dedicadas aos romances de Vasco Ricardo.

Vasco Ricardo fará uma apresentação e sessão de autógrafos das suas obras “O Diplomata” e “A Trama da Estrela”:

 - Dia 9 de Fevereiro na Fnac Santa Catarina no Porto pelas 17h30

 - Dia 10 de Fevereiro na Fnac Gaiashopping em Gaia pelas 17h00
 
 
 
 
 

A sessão é já no próximo fim de semana... Não percam a oportunidade.

sexta-feira, fevereiro 01, 2013

As Trevas da Paixão - Gil 7 #


Diana tinha passado pelo hotel perto das quatro da manha. Vinha enfiada dentro de uma saia de cabedal preta e uma jaqueta do mesmo material. O cabelo ondulava-lhe nas costas e era impossível não a ver. Penso que um dos motivos por ela ter escolhido trabalhar com mortos em vez de vivos, era também devido à forte tensão sexual que emanava dela. Era-lhe tão natural que no início foi-me difícil, ainda que me considere heterossexual assumidíssima, ficar imune ao seu charme intrínseco. A minha sorte, foi que às quatro horas da madrugada, muito dificilmente aparece alguém pela recepção e assim a minha querida amiga não causaria um chelique sexual a ninguém e não me meteria em despesas.
Conversamos durante horas sobre Gil. As gargalhadas contagiantes dela vibravam nas paredes da recepção, obrigando-me a encolher de cada vez que o seu riso se fazia ouvir.
Soube-me bem conversar com ela e desabafar sobre tudo o que tinha acontecido nos últimos dias.
Diana defendia que o que era passado ficava no passado e achava muito bem que eu seguisse com o Dr. Gil., porque só com um novo amor, poderia esquecer um mau. Não que considerasse aquilo que senti por Santiago um amor de perdição, mas bolas, sai magoada do que tinha acontecido entre mim e ele e não fora só o coração partido. Também tinha levado com uma factura no pulso mas… na verdade, há males que trazem um bem. E o meu pulso partido trouxe-me um pediatra.
E por falar em pediatra, ainda Diana não se tinha ido embora, quando o meu telemóvel começou a vibrar em cima do balcão da recepção. Como que antevendo o que me esperava, o meu coração saltou-me no peito, fazendo-me ceder os joelhos e pôr-me as mãos a tremer. A mensagem era do Gil, que, tal como eu, estava no turno da noite e decidiu convidar-me para tomar o pequeno-almoço quando ambos saíssemos do trabalho. A resposta à pergunta dele foi óbvia: na minha casa, ou na tua? E confesso que não estava à espera que ele se oferecesse para que fosse na dele.
Desde a recepção da mensagem, até à hora de sair do hotel para tomar o tão aguardado pequeno-almoço devo dizer-vos que me pareceu que o tempo congelou. Dizer que os minutos passavam a passo de caracol era ser simpática. Senti-me adolescente outra vez.

Gil, um verdadeiro cavalheiro, seguiu no seu carro atrás do meu, porque fez questão que deixasse o meu carro em casa. Depois de entrar no dele, seguimos em direcção ao seu apartamento, numa zona habitacional muito simpática perto da universidade. Uma zona familiar.
Família. Filhos. Marido. Mulher…. Descendência…
Pronto, era oficial, o tema estava a tornar-se obsessivo. Qualquer coisa que envolvesse a palavra família, levava-me a pensar logo em matrimónio e maternidade. Bolas, tinha mesmo mexido comigo!
                A casa dele era minimalista e muito masculina. Sem grandes adereços, mobiliário simples e moderno, mas com um espaço muito acolhedor e melhor, muito melhor que a mobília de design moderno, era o facto de ter a casa arrumada. Um brinco.
Okay, eu acuso-me, a minha muito raramente se encontra naquele grau imaculado de limpeza e arrumação. Principalmente o quarto.
Gil riu-se, como que adivinhando os meus pensamentos.
                - Achavas o quê, que te tinha convidado porque queria que me arrumasses a roupa suja e me aspirasses a casa?
                - Sim. Quero dizer, não, claro que não. – mais uma vez fiquei vermelha como um maldito tomate – Vamos ser realistas, normalmente os homens que vivem sozinhos não têm a casa arrumada, é mais forte que vocês.
                - Hum, uma generalista! – disse ele, enquanto me piscava o olho e pendurava o casaco dele e o meu no bengaleiro – Gosto de provar os meus pontos de vista, em especial, mostrar que estás errada em relação a todos os homens serem iguais. Mas, por ora vamos comer, estou esfomeado!
                Eu soltei uma leve gargalhada, dizendo-lhe com risos que estava ansiosa que me mostrasse o ponto de vista dela.
Se a minha querida amiga Diana me ouvisse a ter este tipo de pensamentos diria que estou curada e que agora sim ia conseguir tirar o máximo partido do sexo oposto, porque segundo ela, era exactamente para isso que eles serviam, para nos dar tudo o que precisássemos.
                O magnifico Dr. Gil, não só tinha a casa impecavelmente arrumada, como também cozinhava divinamente.
                - És uma caixinha de surpresas, não és? – disse eu, enquanto me deixava servir de uma caneca de café acabado de fazer, com um pingo de leite. E me deliciava com os crepes que ele preparava na hora e colocava na mesa.
                - Podemos dizer que tenho de tudo no meu baú. Se quiseres, mais tarde, posso mostrar-te o que mais podes encontrar.
Gil pegou na minha mão, que segurava o meu garfo, e levou o meu pedaço de crepe com chocolate à sua boca, sem nunca parar de me olhar. Olhos nos olhos. Alma na alma.
Oh. Meu. Deus.
                - Claro… porque não… - acabei eu por dizer, ao mesmo tempo que os lábios dele, deslizavam pelo meu garfo.
O resto do pequeno-almoço correu às mil maravilhas, sem grandes afluências de calor nem temas com duplo sentido.
Quando terminamos, ajudei o Gil a levantar a mesa do pequeno-almoço e antes mesmo de conseguiu pousar os pratos no lava-loiça, já as mãos dele tinham saltado para as minhas ancas, maneando-as, puxando-me contra ele. Os talheres, que aterraram rápido demais no lava-loiça, sobressaltou-me um pouco o que apenas fez com que eu e ele ficássemos ainda mais juntos.
Ele afastou o meu cabelo da nuca e beijou-me demoradamente, provocando-me arrepios em toda a superfície do meu corpo coberta de pele e pêlos. Depois, beijou-me a orelha e mordeu-ma. Por fim, voltou-me nos seus braços e beijou-me como poucas vezes fui beijada.
                Gil era magnífico com as suas mãos. Mãos másculas e experientes que em menos de nada, me tiraram as calças e a camisa branca da farda do hotel e me deixaram apenas de roupa interior, deitada na sua cama.
                Beijou-me os pés, as canelas e os joelhos. Segurou-me as coxas, beijou-me as ancas e tirou-me as cuecas. Quando dei por mim, gemia e gritava de prazer às mãos dele. Um calor delicioso banhava-me, envolvia-me e possuía-me sem qualquer tipo de complexo, e quando ele me agarrou forte nas coxas e gemeu o meu nome, soube que ele tinha acabado de atingir o meu paraíso carnal, e o orgasmo de ambos levou-nos a deixar-nos ficar lado a lado na cama, respirando apressadamente, deixando que o sono reclamasse o que era seu por direito.
Quando dei por mim, estava oficialmente em terra de vale dos lençóis.